NOTÍCIAS


Pedidos de medidas protetivas aumentam em São José dos Campos, Taubaté e Jacareí, diz TJ



Em um dos casos mais recentes da região de violência contra mulher, uma jovem foi espancada até a morte, no último sábado (16). O ex-namorado dela é o principal suspeito do crime. Cresce o número de medidas protetivas na região O número de pedidos de medida protetiva aumentou em São José dos Campos, Taubaté e Jacareí (três maiores cidades do Vale do Paraíba) entre 2022 e 2023. Nos primeiros meses de 2024, também há dezenas de novas solicitações. ✅ Clique aqui para seguir o canal do g1 Vale do Paraíba e região no WhatsApp Os principais números estão em São José dos Campos, de acordo com levantamento cedido pelo Tribunal de Justiça. A cidade teve 1.015 pedidos de medidas protetivas em 2022, contra 1.429 em 2023 – um crescimento de 41%. Até fevereiro deste ano, foram concedidas mais 254 medidas para mulheres. Em Taubaté, o número saltou de 499 em 2022 para 618 – um aumento de 23,8%. Além disso, foram mais 118 solicitações nos dois primeiros meses deste ano. Jacareí também registrou aumento no número de pedidos de medidas protetivas. Segundo o TJ, foram 291 medidas em 2022, contra 327 em 2023. Neste ano, foram registradas mais 52 solicitações. A medida protetiva é uma decisão judicial baseada na Lei Maria da Penha, que tem como objetivo proteger a mulher que é vítima de violência doméstica ou familiar. Imagem de arquivo – Pedidos de medida protetiva aumentam em São José dos Campos, Taubaté e Jacareí TV Verdes Mares/Reprodução A solicitação da medida pode ser feita na Delegacia de Defesa da Mulher ou diretamente no Ministério Público e Defensoria Pública, mesmo que a vítima não tenha registrado boletim de ocorrência. O prazo para o pedido ser analisado pela Justiça é de até 48 horas. “A medida protetiva consiste na proibição do agressor de se aproximar e ter contato com a mulher e seus familiares. Provoca também o afastamento do agressor do lar e a proibição dele frequentar determinados lugares. O agressor que descumprir a medida protetiva vai responder por um crime”, explica a promotora de justiça Gabriella Lanza Passos. Leia mais notícias do Vale do Paraíba e região Apesar de ser uma forma de proteção prevista em lei, porém, nem sempre as medidas protetivas são suficientes para afastar o agressor. Para a pesquisadora da USP Claudia Regina Lemes, é preciso também reforçar as políticas públicas de combate à violência contra a mulher. “Mesmo que as mulheres ainda estejam garantidas por uma medida protetiva, alguma coisa a mais tem que acontecer, e não só um documento ou papel”, afirma Claudia. Elda Mariel Aquino Fortes foi espancada com socos no rosto e um golpe ‘mata-leão’ Arquivo pessoal Crime em Lorena Um dos casos de violência contra a mulher mais recentes da região do Vale do Paraíba aconteceu no último sábado (16), em Lorena. Elda Aquino Fortes, de 29 anos, foi espancada e morta dentro de casa. O principal suspeito do crime é o ex-namorado dela, Luiz Guilherme de Oliveira, que está foragido. Em fevereiro, a Justiça havia concedido uma medida protetiva de urgência contra ele. O g1 tenta contato com Luiz Guilherme de Oliveira. Polícia investiga morte de mulher em Lorena

Fonte: G1


22/03/2024 – Prata FM Vale

COMPARTILHE

SEGUE A @PRATAFMVALE

NO AR:
ALÔ BOM DIA 1ªED - PRATA FM VALE